Luiz Rosário, 350.org: “Eles se apropriam de terras historicamente das comunidades”

9 de dezembro de 2018 | Categorias: Notícias | Marcadores: , , ,


Para Luiz Afonso Rosário, do 350.org, organização que usa campanhas online, organização de base e ações públicas em massa para se opor a novos projetos de carvão, petróleo e gás, é preciso atenção ao impacto das atividades minerárias na população remanescente de quilombolas. Ele é consultor de povos e comunidades tradicionais e membro da Coalização Não Fracking Brasil. (Por José Pires, especial para o Livre.jor)

Livre.jor – Segundo o estudo coordenado pelo Livre.jor, 46% das áreas quilombolas estão em regiões com potencial de conflitos motivados por extrativismo mineral. O que isso significa?
Luiz Rosário – Que os prejuízos [em potencial] são diversos. Vão desde a contaminação do solo, da água, e danos à vegetação, a problemas gerados na saúde dessas comunidades.

LJR – Poderia dar exemplos? O Projeto Latentes contou 183 comunidades quilombolas em situação de potencial conflito.
Luiz rosário – No sul da Bahia, por exemplo, em regiões como Piripá, Caetité, entre outras, a exploração de minérios tem gerado impactos e conflitos junto à população de agricultores familiares e comunidades quilombolas. A questão ali é a apropriação das terras historicamente de uso comum das comunidades.

Tem também a questão do uso e das preservação dos recursos hídricos. A mineração de urânio, por exemplo, consome uma quantidade enorme de água que é usada para lavar o minério. Isso sem falar na mineração ilegal, que prejudica muito diversas regiões do país, incluindo territórios quilombolas.

 

Divulgação/350.org

 

> Além de georreferenciar os dados sobre a mineração legalizada no Brasil, e listar os pontos em que a proximidade com áreas indígenas, quilombolas, assentamentos e unidades de conservação aponta para a existência de possíveis conflitos socioambientais, o Projeto Latentes relaciona especialistas nos temas. Esta entrevista faz parte disso, contextualizando a opinião e o local de fala dessas fontes.




« Voltar ao histórico de notícias