No Paraná, confiança nas notícias de jornais é seis vezes maior que em sites

Então quer dizer que você confia naquele veículo que disse que dá pra plantar boi com tomate e colher um molho à bolonhesa mas vira o nariz aqui para os dados públicos do Livre.jor? Você não é desses? Ufa, muito bem! Então fique sabendo que apenas você e 6% dos entrevistados na Pesquisa Brasileira de Mídia 2015 indicaram confiar sempre nas notícias de sites e 5% nas de redes sociais.

Na deixa do José Lazaro Jr na postagem sobre os hábitos de consumo midiático dos paranaenses, com dados do levantamento promovido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), resolvemos trazer outros números da mesma pesquisa de mídia.

Além dos percentuais apontados acima, lá na pesquisa, na lista de confiança dos entrevistados na notícia, em primeiro lugar ficam as notícias de jornais, pelas quais 58% dos leitores apontaram confiarem sempre ou muitas vezes, seguido das notícias de rádios, com 54%, e das de televisão, com 54%.

Livro 2015 ok.indd

Isso em um cenário nacional. Já fechando o quadro para a realidade paranaense, a confiança nas notícias de internet e redes sociais diminui ainda mais. Apenas 3% dos entrevistados confiam totalmente nas notícias de sites e 2% em redes sociais.

Livro 2015 ok.indd

Quando ampliamos para os que confiam totalmente, confiam muitas vezes e confiam poucas vezes, que são as três divisões de confiança previstas na pesquisa, os dados são um pouco mais animadores, apresentando no Paraná 84% de alguma indicação de confiança nas notícias de sites e 74% nas de redes sociais. Claro que nesses percentuais a maior parte é daqueles que confiam poucas vezes – 63% nas notícias de sites e 59% nas de redes sociais.

Os dados sobre confiança estão a partir da página 91 do arquivo da Pesquisa Brasileira de Mídia 2015, disponível no site da Secom. Lá é possível conferir a confiança (ou desconfiança) dos pesquisados com as notícias em várias plataformas sob vários recortes, como por unidade federativa, por gênero, escolaridade, renda familiar, ramo de atividade, dentre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco + 7 =