Passou raiva como jornalista no último ano? Então você veio ao lugar certo.

Em 2021, o 3ª Prêmio Livre.jor de Jornalismo-Mosca segue na labuta de premiar quem mais deu dor de cabeça aos poderosos do momento, não importa quem sejam essas figuras tristes.

Se você caçou dados públicos à unha, chafurdou na Lei de Acesso à Informação e esquadrinhou documentos oficiais para trazer à luz aquilo que rastejava nos porões do Poder… Tamo junto! Aqui é o lugar certo para admitir que teve coragem, correu riscos e faria tudo de novo e de novo.

Como já disse Cláudio Abramo, o jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.

Em 2019, foram 28 inscritos e o grande prêmio foi dado à reportagem “Os laços familiares do clã Bolsonaro“, de Juliana dal Piva e equipe, para O Globo e Época. No ano passado, com 45 inscrições efetivas, venceu “A Mão Invisível das Milícias“, de Igor Mello e Lola Ferreira, para o UOL. Muita gente corajosa deu as caras no Prêmio de Jornalismo-Mosca (confira aqui).

CHOQUE DE REALIDADE – Todos os dias jornalistas pelo Brasil desafiam os poderosos, invadem o pavilhão auditivo das autoridades, zumbindo o mais alto que conseguem. Dizem por aí que uma mosca sozinha não faz Verão, mas e se formos muitas? É preciso enaltecê-las, reconhecer pelo nome quem adiciona petulância à apuração cuidadosa. Quem não está na pista a passeio. O 3º Prêmio Livre.jor de Jornalismo-Mosca é um grito – e um chamamento!

COMO FAZER – Neste ano, além do troféu, pelo menos o vencedor das categorias principais vão receber um prêmio em dinheiro. Quanto? Depende do engajamento na campanha de financiamento coletivo aberta no catarse > www.catarse.me/premiomosca2021.

E atenção, que o período para inscrições é curto, de 10 de setembro a 10 de outubro de 2021. Corram ler o regulamento e preencher a ficha de inscrição. Não tem muitas regras, apenas aquelas que já pautam o trabalho, por exemplo, da Livre.jor. Nós mesmos avaliaremos os concorrentes. Quem somos nós, para propor isto? Leia aqui. Que valentia foi essa? Ela emana daqui.