A proporção é de três vítimas de raio no Paraná para cada pessoa que ganha na Mega-Sena

Se você gosta de apostas, vai desfrutar dessa coincidência: a Mega-Sena começou a ser sorteada em março de 1996, mesmo ano inicial para as consultas no Datasus – principal sistema de dados do governo federal sobre saúde pública no Brasil. De lá para cá, das aproximadamente 587 “boladas” distribuídas pela loteria federal, 56 foram pagas a paranaenses. No mesmo período, 151 moradores do estado faleceram vítimas de raio.

No Brasil? As vítimas de raio, entre 1996 e 2013, foram 2.033. A maior parte dos casos ocorreu na Região Sudeste, 580 no período. No Centro-Oeste, 432 vítimas. Norte, 379. Sul, 356. Nordeste, 286. Uma distribuição proporcionalmente bastante parecida com a dos grandes prêmios da Mega-Sena, diga-se de passagem, onde há mais apostadores premiados em São Paulo: 180 bilhetes. Depois os fluminenses, com 64 prêmios, e os mineiros, com 59.

E o Paraná que é o quarto estado mais “sortudo” na Mega-Sena, tem o “azar” de ocupar a mesma posição na tabela de vítimas de raios, empatado com o Rio Grande do Sul. Infelizmente, 151 pessoas em cada um desses estados, de 1996 a 2013, faleceram em decorrência deste “fator externo” – como classifica o Datasus. Em São Paulo, que lidera a lista de vítimas, foram registrados 341 casos; e, em Minas Gerais, 173. Agora você sabe que não é só uma questão de probabilidade esse papo que é mais fácil ser fulminado por uma raio que ganhar na Mega-Sena.

Prêmio em dinheiro
O prêmio bruto da Mega-Sena corresonde a “apenas” 46% do arrecadado no concurso. Essa bolada milionária, então, é distribuída dessa maneira: 35% é rateado entre os acertadores dos 6 números; 19% é dividido entre quem faz a quina; 19% é dividido entre os acertadores das quadra; 22% acumula para os sorteios de final 0 ou 5, sendo dividido entre quem adivinhar os 6 números. Ah, 5% de cada concurso vai “engordando” a Mega da Virada. Em 2014, esse concurso especial de final de ano arrecadou R$ 871 milhões e distribuiu R$ 263,2 milhões.

Para onde vai o resto do dinheiro? “A cada R$ 1,00 apostado, R$ 0,48 (incluindo a parcela correspondente ao Imposto de Renda sobre os prêmios) são convertidos em recursos com finalidade social”, diz a própria Caixa Federal, em um anuário sobre as loterias, que tem mais detalhes sobre a distribuição dessa grana. Sim, nesta quarta-feira tem sorteio com prêmio acumulado, cuja expectativa é ratear R$ 46 milhões entre os acertadores. Boa sorte, pra quem é de boa sorte. E, para quem tem medo de tempestade, vale ler as curiosas dicas da Defesa Civil do Rio de Janeiro para não ser vitimado por um raio – no final da página deles [link aqui].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 − 3 =