Câmara paga até R$ 29 mil em cabos USB para evitar que deputados saiam das sessões

A Câmara Federal pretende gastar até R$ 29 mil em cabos e conectores para “prover aos deputados, durante as prolongadas sessões no Plenário Ulysses Guimarães, meios de carregamento da bateria dos seus celulares”. De acordo com o edital, a casa pode adquirir 470 cabos de interface USB, 470 conectores para montagem em painel e 470 cabos USB tipo Y. A ideia é que, com a compra, evita-se as ausências dos parlamentares durante as votações, “uma vez que este equipamento constitui ferramenta fundamental para atuação parlamentar”. Bem, com essa, e depois de bom tempo sem atualização, está mais que aberta mais uma edição do #ComprasDaSemana.

R$ 25 mil em capachos– o Detran homologou o edital 25/2017 que prevê a compra de 112 capachos. O custo total apresentado pela Sorocapax Tapetes, empresa vencedora do pregão eletrônico com o menor preço apresentado para os lotes, foi de exatos R$ 25.498,46. Segundo a ata de sessão pública do pregão, anexo ao edital, no entanto, a mesma empresa, foi a que apresentou maior valor de lance, de R$ 80 mil para os mesmos itens de lote.

Pelo edital original, o Detran estava disposto a gastar até R$ 26,8 mil em seis capachos para elevadores, com preços médios de R$ 340 unitários, 50 capachos de 1,10X0,80m, ao custo unitário de R$ 146, e 50 capachos de R$ 310 medindo 1,80x1m. Clique aqui e confira a homologação do edital no Diário Oficial da Indústria desta quinta-feira (8).

Papel higiênico e materiais de higiene para a Alep – depois jornais e blogs noticiarem as reclamações de que supostamente a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) estaria sem papel higiênico por edital deserto, apareceu uma empresa para assumir o contrato de venda de até 5.520 “rolão” de papel higiênico de 300 metros cada ao custo máximo de R$ 85 mil. Pelo resultado final do edital, o preço do metro do papel será de cinco centavos. O trâmite, com abrangência de 12 meses, não obriga, no entanto, a Alep a comprar todo o produto. O papel higiênico não é o único produto do edital, cujo valor máximo indicado pela assembleia poderia chegar a R$ 419 mil para compra de sabonete líquido, toalhas de papel, sanitizante para as mãos e aromatizador de ambiente.

Com única empresa participante do pregão que foi republicado pela assembleia, o valor final da proposta foi de R$ 417 mil, dois mil a menos que o teto. Confira abaixo o quadro com os valores finais do lance para os produtos e veja aqui o edital original e aqui a ata de registro de preços. Todos os documentos estão no site da transparência da Alep, que pode ser acessado aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 4 =