Sanepar vai gastar R$ 467 mil em máquinas automáticas de café e chá

A locação de 33 máquinas automáticas de bebidas quentes custarão R$ 467.990,00 para a Sanepar. O valor é referente ao lance vencedor do edital lançado pela estatal. Pelo teto da licitação, o gasto da empresa seria quase o dobro, ou seja, R$ 931.392,00 pelo fornecimento de café curto e longo, chá e café com leite.

As máquinas ficarão em três endereços da Sanepar em Curitiba: na avenida João Gualberto, na rua Francisco Nunes e na sede da estatal, na rua Engenheiros Rebouças. Segundo a especificação do edital de licitação, serão 12 máquinas com abastecimento através de galão de 20 litros de água mineral, 20 máquinas com abastecimento através de sistema hidráulico e uma máquina de café expresso com moinho interno de grãos. Não foi indicado a destinação da máquina de café expresso.

O contrato prevê, além da locação, os serviços de “serviços de fornecimento de cafés e bebidas quentes em máquinas automáticas, compreendendo o emprego de todos os insumos, materiais e equipamentos bem como a execução dos serviços de abastecimento”. A franquia é de 29.700 doses por mês de café curto e longo, café com leite e chá de limão ou de pêssego.

Nas especificações do edital, a estatal pede que o café seja tipo solúvel de qualidade gourmet, que os grãos da máquina expresso também sejam de “qualidade gourmet com selo Abic de pureza”. O açúcar deve ser da marca União ou similar.

Apesar de não ser especificada a obrigatoriedade de fornecimento, no quadro de especificações da qualidade dos produtos, Sanepar indica que o chocolate em pó deve ser “de primeira qualidade (não será aceito achocolatado”; e no quadro de especificações de requisitos técnicos mínimos das máquinas, a estatal solicita que o equipamento ofereça “café curto, café longo, café com leite, chá, leite, chocolate e cappuccino”.

Para resolver essa dúvida, enviamos um pedido de informação para a Sanepar questionando se terá ou não cappuccino e chocolate. Quer ver o edital completo? Acesse o site de compras da Sanepar aqui e baixe o arquivo. E com isso, abrimos mais um #ComprasDaSemana com vários editais para você. Confira aí.

Primeira dama do Paraná compra bolacha, não biscoito – extrato de contrato publicado pela Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social (Seds) põe fim a um dilema que aflige a humanidade: é bolacha, não biscoito. Contrato 1587/2017, com vigência entre 7 de agosto e 31 de novembro, assinado pela primeira dama e responsável pela pasta da Seds, Fernanda Richa, prevê compra de R$ 1,4 mil para “aquisição de bolachas”. Está no Diário Oficial da Indústria desta terça-feira (8), e pode ser acessado aqui.

Desfile do evento de 7 de setembro pode chegar a R$ R$ 318 mil – a Casa Civil lançou edital para contratação de empresa para fornecimento de arquibancadas, palcos, sonorização, mobiliários e sanitários para o evento do desfile de 7 de Setembro do Centro Cívico. O teto do edital é de R$ 318.540,00 para total dos lotes.

De acordo com o documento, a empresa contratada vai “suprir a Casa Civil nas ações de montagem/desmontagem e organização, dentro das especificações necessárias” para as comemorações do evento cívico, que “tem por objetivo revigorar as Comemorações da Semana da Pátria, incentivando a participação do cidadão e da sociedade, por meio de atividades que valorizem o civismo”. O cerimonial do governo estima que o evento terá público de 4.500 pessoas.

O custo maior, pelas especificações do edital, será para locação das 4 mil grades de contenção, cujo valor pode chegar a R$ 100 mil o lote, e a sonorização com locação de caixas, house mix e torres de som, ao custo que pode alcançar o valor de R$ 109 mil. Veja o edital no site da transparência do governo estadual

A grama verde do vizinho? – Para combater a erosão da existente na quadra 302 Norte dos apartamentos funcionários, a câmara dos deputados abriu licitação para compra de 3.200 m² de grama tipo São Carlos.

O custo da aquisição do lote de placas de 30cmX30cm da planta da espécie Axonopus compressus, sem ervas daninhas e livre de doenças e de fungos, pode chegar a R$ 22,3 mil. O preço do metro quadrado, segundo edital, pode chegar a R$ 6,98.

Além das áreas de prédios funcionais, a grama também será utilizada para recompor a área verde do Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento (Cefor) e do Complexo Avançado da câmara. Leia a íntegra do edital no site da casa de leis.

#comprasdasemana
Seguimos a empreitada, aqui no Livre.jor – totalmente inspirada pelo Contas Abertas – de vasculhar editais e diários oficiais para registro das compras mais inusitadas, despropositadas e divertidas dos poderes públicos paranaenses. Ressaltamos que não há aqui qualquer apontamento ou indicação de suspeita de irregularidade nestes gastos, apenas resolvemos agrupar as compras pitorescas, que se destacam nas páginas dos editais públicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 3 =