Now Reading
Curitiba é a cidade brasileira com mais candidatos pró-LGBTI disputando a prefeitura

Curitiba é a cidade brasileira com mais candidatos pró-LGBTI disputando a prefeitura

Quem identifica a capital do Paraná com o conservadorismo vai precisar rever suas convicções depois das eleições municipais de 2020. É que das 15 candidaturas à prefeitura de Curitiba, 11 assinaram o Compromisso pela Cidadania e Direitos LGBTI. Nenhuma outra cidade do Brasil teve mais adesões ao Programa Voto Com Orgulho, da Aliança Nacional LGBTI.

Comprometeram-se com os Direitos LGBTI as candidaturas de Camila Lanes (PCdoB), Carol Arns (Podemos), Christiane Yared (PL), Eloy Casagrande (Rede), Goura (PDT), João Arruda (MDB), João Guilherme (Novo), Letícia Lanz (PSol), Professor Mocelin (PV), Professora Samara (PSTU) e Rafael Greca (DEM). Lanes e Lanz declaram-se LGBTIs, os demais são aliados da causa.

No documento entregue a eles, a ALGBTI pede a quem for eleito, por exemplo, a criação do Plano Municipal de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGBTI+ e a criação de uma penalidade administrativa nos casos de discriminação e preconceito em razão de orientação sexual e identidade de gênero. Mais: que sejam vetadas leis que firam, propositadamente ou não, a igualdade de direitos da população LGBTI+ garantida pela Constituição Federal.

Em 2019, 5 pessoas LGBTI sofreram mortes violentas em Curitiba, segundo relatório anual tabulado pelo Grupo Gay da Bahia. Isto faz da cidade a sexta capital mais perigosa do Brasil para essa população, que tem buscado articulação com o poder público para cessar as ameaças à própria vida.

Se em Curitiba o esforço político de dar visibilidade à questão sensibilizou a classe política, não podemos dizer o mesmo do Brasil. Até o fechamento desta reportagem, em todo o país, apenas 22 candidatos a prefeituras, 7 vices e 259 a vereador tinham assinado o Compromisso pela Cidadania e Direitos LGBTI – no total, 288, ou seja, 0,05% de um universo de mais de 517 mil candidaturas inscritas na Justiça Eleitoral.

Então essa história tem um lado bom, que é Curitiba estar alerta para a necessária defesa dos direitos humanos. E o lado ruim: que falta articulação LGBTI nas grandes cidades para colher mais apoios dos candidatos à causa e aumentar esses números – que estão claramente subdimensionados, ou vamos aceitar que 99,95% dos concorrentes são homofóbicos e pronto? E aí, já pediu hoje para o seu candidato assinar o Compromisso pela Cidadania e Direitos LGBTI? Clique aqui.

COMPROMISSO-2020-ALGBTI

Desde 2014 ricocheteando no pavilhão auditivo dos poderosos.

Scroll To Top